PM prende suspeito de chefiar milícia em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense

De acordo com informações do batalhão do município, contra Jefferson Constant Jasmim, de 28 anos, também conhecido como Deco, havia sete mandados de prisão expedidos pela Justiça fluminense.


Preso suspeito apontado pela polícia como chefe de milícia em Nova Iguaçu (Foto: Divulgação PM)

Preso suspeito apontado pela polícia como chefe de milícia em Nova Iguaçu (Foto: Divulgação PM)

 

Policiais militares do 20º BPM (Nova Iguaçu) prenderam na noite desta terça-feira (29) um homem suspeito de chefiar uma milícia em Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense. Contra Jefferson Constant Jasmim, de 28 anos, também conhecido como Deco da Grama, segundo informações da Polícia Militar, havia sete mandados de prisão expedidos pela Justiça fluminense.

Os PMs faziam um patrulhamento quando suspeitaram de um carro que passava pela Estrada do Iguaçu e abordaram o motorista. De acordo com os policiais, o veículo era roubado e dentro estava Jasmim. O homem foi conduzido para a 58ª DP (Nova Iguaçu), onde foi identificado.

A PM informou que contra Jasmim há vários mandados de prisão por roubo, homicídio e formação de quadrilha. Apontado como chefe da milícia no local, a polícia diz que a atuação dos criminosos estava se expandindo por Nova Iguaçu.

Fonte: G1

Anúncios

Secretário de Segurança detona UPPs, mas garante que prioridade é reformular projeto

‘Cresceram para atender a interesses eleitorais’, disparou o general Richard Nunes

General Richard Nunes, secretário de Segurança
General Richard Nunes, secretário de Segurança – Fernanda Dias / Agência O DIA

 

O secretário estadual de Segurança, general Richard Nunes, fez duras críticas às Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), nesta terça-feira, na Urca, Zona Sul carioca, mas garantiu que a reformulação do projeto continua na lista das suas prioridades.

“As UPPs cresceram para atender a interesses eleitorais. Bom que vivemos uma intervenção federal para eu poder dizer isso. Se fosse em outra situação, eu não poderia falar”, afirmou. As imagens que mostraram o oficial disparando essas críticas foram exibidas pelo ‘RJTV’, da Rede Globo.

Richard Nunes foi além:

“O policial das UPPs precisa trabalhar em condições dignas. Ele (PM) não pode ser colocado em um contêiner imundo desses e se achar que vai ter resultado.”

O secretário, porém, fez questão de destacar que não pretende acabar com todas as 38 UPPs do Estado do Rio.

“Não é terra arrasada porque aquelas que funcionam serão preservadas. Não se trata de acabar com política de pacificação e proximidade. Nada disso, é trabalhar com critério”, disse. “É recuperar um efetivo que está fazendo falta no patrulhamento regular. Um quarto da polícia está em UPP que não tem resultado nenhum”, concluiu ele, durante seminário na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

O DIA procurou o governo do Estado do Rio, para saber se alguma autoridade iria se pronunciar a respeito das críticas do secretário de Segurança. E recebeu a seguinte resposta enviada pela assessoria: “O governo não vai comentar”.

Crise dos Combustíveis

Indagado sobre a paralisação dos caminhoneiros, o general afirmou que a integração entre as polícias e as agências de inteligência facilitou o trabalho no Rio da Secretaria de Segurança:

“Já estávamos integrados. Quando aconteceu essa crise, bastou estalar os dedos. Acabou aquela disputa ridícula de PM ou Polícia Civil. Cada uma querer aparecer mais do que a outra, querendo faturar”, concluiu o secretário de Segurança.

 

Fonte: O Dia

Suspeito de participar de morte de PM em Vila Isabel é procurado

Portal divulgou cartaz pedindo por informações que levem à capturado do homem; recompensa é de R$ 5 mil

Luiz Fernando é suspeito de participar de morte de PM em Vila Isabel
Luiz Fernando é suspeito de participar de morte de PM em Vila Isabel – Divulgação

 

O Portal dos Procurados divulgou, nesta terça-feira, cartaz com recompensa de R$ 5 mil reais por informações que levem a prisão de Luiz Fernando Mendonça Corrêa, de 25 anos. Ele é um dos principais suspeitos de participação no assassinato do subtenente PM Almir Tadeu Alves de Almeida, de 58 anos.

O crime aconteceu por volta das 13h30m, da quarta-feira, 30 de abril do ano passado, no interior das Lojas Americanas na Boulevard Vinte Oito de Setembro, Vila Isabel, Zona Norte do Rio. Segundo investigações, com objetivo de garantir o roubo da loja, os criminosos não hesitaram em matar à queima-roupa o policial, ainda no interior do estabelecimento, sem que esta tivesse sequer reagido ou oferecido qualquer tipo de resistência. Os bandidos conseguiram fugir e ainda levaram a arma da vítima.

Em agosto do mesmo ano, outro envolvido no crime, Lucas Rodrigues Silva, conhecido como L.R, foi preso por PMs da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Lins, na Rua Professor Antenor Nascente, na Barreira do Lins.

Contra  Luiz Fernando, consta mandado de prisão expedido pela 11ª Vara Criminal da Capital, por roubo qualificado.

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização do acusado ainda em liberdade, favor informar pelos seguintes canais: WhatsApp ou Telegram do Portal dos Procurados (21) 98849-6099; Central de Atendimento do Disque Denúncia (21) 2253-1177; através do Facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/; e pelo aplicativo Disque Denúncia RJ. Visite também o Instagram oficial do Portal dos Procurados – portal.procurados-.

Todas as informações estarão sendo encaminhadas para a Delegacia de Homicídios (DH), que investiga o crime.

 

Fonte: O Dia

Homem é morto em Nova Iguaçu

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) está investigando as causas do assassinato

 

Um homem foi morto na Estrada do Rio São Paulo Variante, em Nova Iguaçu, por volta das 11h30 desta terça-feira. Segundo o 20º BPM (Mesquita), a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) está investigando as causas do assassinato. A dinâmica do assassinato não foi esclarecida pela corporação.

Rafael Pereira Rodrigues da Silva era conhecido como o “gordinho do lava-jato”, estabelecimento que fica no Jardim Paraíso. Nas redes sociais, moradores da região mostraram a indignação diante do crime. “Chega de violência”, disse uma internauta.

De acordo com a DHBF, a perícia já foi feita e estão sendo listadas testemunhas para tentar esclarecer o caso.

 

Fonte: O Dia

Polícia prende um dos criminosos que atirou contra motociclista

Felipe de Souza Valeriano, 19 anos, e Franklin Maia de Oliveira André, 18 anos, roubaram moto na Marechal Rondon e ainda atiraram contra vítima

Cartaz do Dique Denúncia para Felipe de Souza Valeriano e Franklin Maia Oliveira André, o FK
Cartaz do Dique Denúncia para Felipe de Souza Valeriano e Franklin Maia Oliveira André, o FK – Divulgação / Disque Denúncia

 

Felipe de Souza Valeriano, de 19 anos, que foi filmado durante um assalto por uma câmera acoplada no capacete da vítima, foi preso na madrugada desta terça-feira por agentes da 25ª DP (Engenho Novo). O crime aconteceu no dia 16 de maio na Avenida Marechal Rondon, no Rocha, Zona Norte do Rio.

No dia do roubo, o jovem estava com o comparsa Franklin Maia Oliveira André, de 18 anos, que ainda é procurado pela Justiça. Segundo a Polícia Civil, eles abordaram um motociclista e mesmo após a vítima ter colaborado e entregado o veículo, Felipe deu coronhadas no capacete do homem e fez um disparo de pistola contra ele, quando a vítima já estava de costas, atingindo-a na perna.

De acordo com o delegado titular da unidade, Fabio Asty, a prisão foi possível após ações de monitoramento de inteligência. Em operação realizada no dia do roubo no Morro do São João, já havia sido recuperada a motocicleta utilizada no crime.

Os autores foram identificados nas primeiras horas após o crime. Felipe, que já possui cinco anotações policiais por roubo, furto e porte ilegal de arma, será encaminhado à unidade prisional. As investigações prosseguem com o objetivo de capturar Franklin, coautor do crime.

Roubo a motociclista na Marechal Rondon REPRODUÇÃO / INTERNET

Fonte: O Dia

Lei que libera retorno de 10 mil militares à ativa divide servidores; gasto extra pode chegar a R$ 42 milhões

O tenente Nilton da Silva não vê com bons olhos a nova lei
O tenente Nilton da Silva não vê com bons olhos a nova lei Foto: Pedro Teixeira / Agência O Globo

Aguarda avaliação do governador Luiz Fernando Pezão um projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no último dia 16. Segundo a proposta, o Estado está autorizado a designar militares da reserva ou reformados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros a retornar à atividade. De acorco com dados do Rioprevidência, mais de 10 mil ex-funcionários (veja o quadro ao lado) se encaixam no enquadramento previsto pela nova legislação. As regras apontam que os militares terão tempo máximo de 24 meses na atividade, prorrogável pelo mesmo período, além de terem a opção de rejeitar a requisição feita pela administração.

O tema já é discutido entre os que deixaram os batalhões. No caso do tenente Nilton da Silva, de 54 anos, que está na reserva remunerada desde o início de 2016 e que está entre os atingidos pela nova lei, a medida é apenas paliativa diante do déficit de efetivo que o Estado possui na Segurança Pública.

— Não será a solução. Após anos de trabalho, os policiais devem desfrutar ao máximo da convivência com os seus familiares. Precisam cuidar da saúde após décadas diante de um perigo extremo — avalia o tenente, um dos líderes do movimento SOS Polícia, ao considerar pouco provável o sucesso da medida.

O cenário de crise na Segurança, déficit de efetivos e salários congelados baseia outra linha de pensamento. Para o coronel Fernando Belo, presidente da Associação de Oficiais Militares Estaduais do Rio de Janeiro (AME-RJ), a legislação tem pontos positivos.

— Acho extremamente benéfica a ideia, desde que seja voluntário o retorno à atividade. O servidor terá mais um adicional ao salário e vai sair do ostracismo. Não tem coisa pior para o militar do que ficar em casa esquecido — apontou o coronel.

De autoria da deputada Zeidan (PT), o projeto limita o retorno do servidor a uma certa idade. No caso dos cabos e soldados, o limite é de 52 anos. Para subtenentes e sargentos, o máximo é de 56 anos. Oficiais até o posto de capitão não podem ter mais de 62 anos.

Gasto mensal pode chegar a R$ 42 milhões

De acordo com o texto da lei, os militares que aceitaram a recondução à atividade — e estiverem de acordo com as avaliações previstas — terão direito, além do vencimento da inatividade, a uma gratificação relativa a 1/3 do que é pago pelo Rioprevidência. Segundo o órgão, o gasto total com os servidores aptos a retornarem ao serviço ultrapassa os R$ 128 milhões. O valor das gratificações geraria um gasto extra de até R$ 42 milhões, caso todos os 10 mil aptos assumissem funções administrativas.

— Num momento de grave crise no funcionalismo e proibição de concursos, a lei vai ajudar a encontrar uma saída rápida para os militares e para a população. Ninguém vai ser obrigado a aceitar a designação, mas ela é um dinheiro a mais no bolso do policial e bombeiro, é uma forma de quem estava na reserva ou reformado ganhar mais e assim podem liberar quem hoje está apto e fazendo serviço administrativo para as ruas — disse a deputada Zeidan, autora do projeto.

Na visão dos defensores do projeto, o governo teria um alívio na questão do déficit de pessoal, além de poder avaliar a necessidade da implementação de programas como o Regime Adicional de Serviço (RAS). Procurada, a Polícia Militar informou que só poderá se “manifestar depois que a lei for apresentado à Corporação”. Já o Corpo de Bombeiros informou que irá respeitar a legislação, mas lembrou que nem todos os inativos com idade para retornar à atividade têm aptidão física e metal para tal.

Se Pezão vetar, Alerj deve promulgar a lei

Quanto à possibilidade de um veto do governador Luiz Fernando Pezão, integrantes da Alerj indicaram o desejo de validar a lei: “Se o governador vetar, vamos derrubar o veto”, disse um deputado da base do governo. Caso seja necessária a derrubada, a Alerj ficará responsável por promulgar a lei, que ainda necessitará de regulamentação.

Por parte do Executivo, como a proposta foi aprovada nas últimas semanas, não é possível realizar uma avaliação prévia. Atualmente, é comum o retorno de servidores, mas somente para cargos de confiança.

Fonte: Extra

Policiais militares resgatam cadela em penhasco no Vidigal, na Zona Sul do Rio

Cadela Kate é resgatada em penhasco no Vidigal
Cadela Kate é resgatada em penhasco no Vidigal Foto: Reprodução/UPP

Policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Vidigal resgataram, na tarde desta segunda-feira, uma cadela que estava prestes a cair de uma encosta no Vidigal, comunidade da Zona Sul do Rio. Os cabos Lorentz e Mesquita, e os soldados Lima, Viana e Mário usaram materiais improvisados e técnicas de rapel para resgatar a cadela Kate.

Segundo a Polícia Militar, moradores da comunidade presenciaram o momento em que a cadela deslizou pelo penhasco, e ficou presa em uma área de encosta.

Os moradores alertaram os policiais da UPP que faziam o patrulhamento pela localidade sobre o ocorrido que, de imediato, fizeram o resgate usando cordas improvisadas. A cadela foi entregue para os moradores.

 

Fonte: Extra