Efetivo das UPPs será destinado para aumento do policiamento ostensivo em combate ao crime, diz secretário

Secretaria de Estado de Segurança afirmou que os programas sociais serão mantidos e que ‘o realinhamento visa fortalecer a segurança das comunidades’.


Exército retira quatro bases da UPP da Vila Kennedy (Foto: Reprodução/TVGlobo)

Exército retira quatro bases da UPP da Vila Kennedy (Foto: Reprodução/TVGlobo)

A notícia da exclusão de metade das Unidades de Polícia Pacificadora do estado, anunciada na quinta-feira (26) pelo RJTV, tem levantado alguns questionamentos sobre a segurança nas comunidades e também nas ruas no Rio de Janeiro.

A Secretaria de Estado de Segurança afirmou, em nota, que os programas sociais serão mantidos e que “o realinhamento visa fortalecer a segurança das comunidades, além da melhoria das condições de trabalho dos policiais”.

O efetivo que atuava nas UPPs excluídas será destinado para o aumento do policiamento ostensivo para coibir a criminalidade em áreas mais críticas do estado. A determinação foi do secretário de Estado de Segurança, General Richard Nunes.

O realinhamento das 38 Unidades de Polícia Pacificadora está sendo conduzido junto ao Gabinete de Intervenção Federal com base no diagnóstico iniciado pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro em 2017. De acordo com informações obtidas pelo G1, reuniões semanais eram realizadas para discutir quais UPPs seriam extintas desde abril do ano passado.

O início da reestruturação foi com a transformação das UPP Batan e UPP Vila Kennedy em companhias destacadas do 14ºBPM (Bangu), batalhão responsável pela área onde estão localizadas estas comunidades. A UPP Mangueirinha, em Duque de Caxias, será a próxima a ser incluída na dinâmica operacional do 15ºBPM (Duque de Caxias).

Lideranças comunitárias de regiões com UPPs comentaram as mudanças no projeto de pacificação.

“Na visao interna de morador, deixou um legado, organizou mais a comunidade e foi um sonho dourado de muitos moradores. O projeto se perdeu pelo caminho e acho que não vejo motivos de mais de 700 policias, um efetivo maior do que muitos baralhões, tendo em vista a grande onda de violência da cidade”, avalia Ocimar Santos, presidente da ONG rocinha.org.

Rubem César Fernandes, fundador ONG Viva Rio, diz que gostou da transparência da decisão em reduzir as unidades. “Melhor fazer o que precisa ser feito do que ficar enganando. Enganando como se estivesse funcionando, sem funcionar, é pior porque desmoraliza. Então, acho que o desafio agora é fazer com que essas que ficaram agora funcionem direito. De fato, quem domina os territórios de novo é a bandidagem.”

‘Expansão degradou UPPs’, diz ministro

Na manhã desta quinta-feira, o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, criticou o andamento do programa de Polícia Pacificadora, ao comentar o corte pela metade no número de unidades. O ministro avaliou que expansão ‘além das possibilidades’ degradou UPPs.

Há um ano, diversos problemas enfrentados pelas UPPs foram discitidos em reuniões semanais com a cúpula da PM. A Seseg reforçou que o realinhamento das 38 Unidades de Polícia Pacificadora está sendo conduzido junto ao Gabinete de Intervenção Federal com base no diagnóstico iniciado pela Polícia Militar em 2017.

Entre os problemas avaliados nas reuniões estavam perda de armamento, falta de efetivo em UPPs críticas, condições ruins de trabalho e até mesmo agentes que ficavam ociosos em UPPs sem demanda. Denúncias de PMs envolvidos com traficantes também eram citadas nos encontros.

Fonte: G1

Anúncios

Mudança de uniforme de agentes do Segurança Presente gera polêmica

PMs passariam a usar farda em vez dos uniformes coloridos. Anúncio teria sido feito pela Secretaria de Segurança.


Estado quer que policiais do Segurança Presente usem farda

Estado quer que policiais do Segurança Presente usem farda

 

A proposta de mudança do uniforme dos agentes do programa Segurança Presente está gerando polêmica entre os moradores dos bairros onde eles atuam. Como mostrou o RJTV nesta sexta-feira (27), a informação sobre a mudança dos uniformes circulou em grupo de whatsapp formado por coordenadores do projeto e moradores. Um dos coordenadores disse que foi informado pela Secretaria de Segurança sobre o uso das fardas pelos policiais militares que estão no programa.

O medo é que a mudança seja uma ameaça ao que está funcionando bem, já que o colete colorido e o boné já viraram referência para identificar os policiais e agentes da Operação Segurança Presente.

“Eu acredito que isso vai descaracterizar as pessoas que foram treinadas para participar desse projeto. É um projeto que vem dando certo e, futuramente, se você tiver um policial que era do projeto fardado, você perde o referencial”, disse o empresário Luiz Eduardo Coimbra.

No programa, o trabalho de prevenção e abordagem nas ruas é feito por policias militares da ativa, policiais reformados, e agentes civis que vieram das Forças Armadas. Todos receberam treinamento para fazer parte do projeto e conseguiram estabelecer uma relação de confiança com os moradores.

“É uma ameaça ao programa. Atualmente, o programa como está funciona muito bem. Nós não temos problemas de segurança pública ali. Sugiro que as autoridades se preocupem com locais onde necessitam de uma atenção, onde a segurança não funciona”, comentou a moradora do bairro do Flamengo Marisa Dreys.

A reportagem do RVTV conversou com alguns policiais que confirmaram ter recebido esse aviso dos coordenadores. Eles não quiseram gravar entrevista, mas disseram que não aprovam o uso de fardas no programa.

Segurança Presente atua em 5 bairros

A Operação Segurança Presente funciona no Centro, na Lapa, no Aterro do Flamengo, na Lagoa e no Méier.

As cores dos coletes mudam de acordo com o bairro e, nesses locais, os índices de criminalidade caíram significantemente.

No Centro, segundo a Secretaria de Governo, os roubos de celulares diminuíram cerca de 80%. Na Lagoa, os coordenadores dizem que conseguiram zerar os casos de roubos a turistas e de bicicletas.

Fonte: G1

Criminoso quebra as duas pernas ao pular de viaduto para fugir da PM, na Zona Norte

Um criminoso pulou de um viaduto para fugir de policiais militares em Cascadura, na Zona Norte do Rio. O bandido, que passava pela via em um automóvel, se assustou com carros e motocicletas da PM, abandonou o veículo e pulou do viaduto. Ele fraturou as duas pernas e foi socorridos ao Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o bandido com fraturas expostas nas duas pernas. Segundo a PM, policiais do 9º BPM (Rocha Miranda) que estavam próximo ao Viaduto de Cascadura foram alertados por motoristas que passavam no local de que um veículo que estava na via estaria tentando voltar na contramão após avistar as viaturas e motocicletas da PM, na tarde de quinta-feira.

Criminoso quebra as duas pernas ao pular de viaduto
Criminoso quebra as duas pernas ao pular de viaduto Foto: Reprodução/redes sociais

Ao abordar o veículo, o motorista tentou fugir pulando do viaduto. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros para o Hospital Salgado Filho, onde ficou custodiado. O veículo que ele dirigia era roubado e no interior dele havia um pistola falsa. A ocorrência foi registrada na Central de Garantias Norte, na Cidade da Polícia, no Jacarezinho.

 

Fonte: Extra

Ônibus é incendiado na Avenida Marechal Rondon, Zona Norte

Ônibus pegando fogo na Avenida Marechal Rondon
Ônibus pegando fogo na Avenida Marechal Rondon Foto: Reprodução WhatsApp Extra

Um grupo ateou fogo em um ônibus na Avenida Marechal Rondon, no Engenho Novo, na Zona Norte do Rio, na noite desta sexta-feira. Policiais militares do 3° BPM (Méier) e bombeiros do quartel de Vila Isabel foram acionados. Não há informações sobre feridos.

De acordo com o Centro de Operações Rio, devido a intervenção da polícia, a via segue interditada na altura do Túnel Noel Rosa.

Alguns moradores relataram tiros na região, nas proximidades do Morro do Quieto. A funcionária de um bar que fica na Marechal Rondon se assustou com o ônibus em chamas na via e fechou o bar com todos os funcionários dentro para se protegerem.

— O ônibus começou a pegar fogo e fechei o bar. Estamos aqui dentro esperando acalmar, não vi o que acontece. Teve tiroteio, mas não sabemos de onde veio – disse a funcionária, que pediu para não ser identificada.

 

Fonte: Extra

Mulher de Nem da Rocinha é absolvida por tráfico de drogas e tem pena reduzida

Mulher de Nem da Rocinha foi condenada em março de 2016 Foto: Reprodução

Os desembargadores da 7ª Câmara Criminal do Rio absolveram Danúbia de Souza Rangel, mulher do traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, da condenação pelo crime de tráfico de drogas em processo na 40ª Vara Criminal do Rio. Com a decisão, dada no início da tarde desta quinta-feira, a pena da “xerifa da Rocinha” foi reduzida de 28 para 17 anos e quatro meses de prisão. Na mesma ação, Danúbia também foi condenada, em março de 2016, por associação para o tráfico e corrupção ativa. Ela está presa desde outubro do ano passado.

O advogado de Danúbia, Marcelo Cruz, afirmou que com a redução na pena, Danúbia já tem direito a cumprir a pena em regime semiaberto. O pedido de progressão será feito pela defesa à Vara de Execuções Penais (VEP) do Rio. A mulher de Nem da Rocinha já havia ficado presa preventivamente por esse processo, de março de 2014 a julho do mesmo ano, e de agosto de 2014 a março de 2016.

– Como o único crime hediondo ao qual ela tinha sido condenada foi o tráfico de drogas, com a absolvição, fica afastada a hediondez. Ou seja, ela não precisa mais cumprir dois quintos da pena (para progredir de regime), mas apenas um sexto. Assim, ela já alcançou o tempo para progressão de regime – explicou o advogado Marcelo Cruz.

Decidiram pela absolvição de Danúbia os desembargadores José Roberto Lagranha Távora, Sidney Rosa e Siro Darlan. O julgamento do recurso de Danúbia começou no dia 27 do mês passado. Na ocasião, Tavora pediu para analisar o processo antes de dar sua decisão. A defesa da mulher de Nem fez três pedidos subsidiários na apelação: anulação do processo, absolvição pelos crimes ou diminuição da pena.

Danúbia está presa desde outubro do ano passado
Danúbia está presa desde outubro do ano passado

 

Sidney Rosa e Roberto Lagranha Távora foram favoráveis à absolvição de Danúbia apenas por tráfico de drogas. Já Siro Darlan, que foi relator do processo, concordou com os argumentos para anulação de todo o processo e votou pela absolvição da mulher de Nem pelos três crimes. Com isso, a defesa de Danúbia ainda entrará com novo recurso no Tribunal de Justiça do Rio – denominado embargos infringentes e de nulidade – para conseguir a anulação de todo o processo.

– A decisão já foi um grande avanço. Muito embora estejamos contentes com o resultado, ainda vamos opor esses embargos infringentes de nulidade porque pretendemos anular toda a sentença. Em face das três nulidades acolhidas pelo desembargador revisor, irei avançar também com mais um recurso dentro do TJ do Rio – acrescentou o advogado de Danúbia.

Na decisão, os magistrados negaram o pedido de prisão domiciliar feito pela defesa de Danúbia. No mês passado, a defesa da mulher de Nem entrou com o mesmo pedido no STF, mas o ministro Edson Fachin determinou que a solicitação fosse encaminhada para a vara criminal na qual Danúbia foi condenada. Esse pedido ainda não foi apreciado.

 

Fonte: Extra

Mulher de Nem da Rocinha é absolvida por tráfico de drogas e tem pena reduzida

Mulher de Nem da Rocinha foi condenada em março de 2016 Foto: Reprodução

Os desembargadores da 7ª Câmara Criminal do Rio absolveram Danúbia de Souza Rangel, mulher do traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, da condenação pelo crime de tráfico de drogas em processo na 40ª Vara Criminal do Rio. Com a decisão, dada no início da tarde desta quinta-feira, a pena da “xerifa da Rocinha” foi reduzida de 28 para 17 anos e quatro meses de prisão. Na mesma ação, Danúbia também foi condenada, em março de 2016, por associação para o tráfico e corrupção ativa. Ela está presa desde outubro do ano passado.

O advogado de Danúbia, Marcelo Cruz, afirmou que com a redução na pena, Danúbia já tem direito a cumprir a pena em regime semiaberto. O pedido de progressão será feito pela defesa à Vara de Execuções Penais (VEP) do Rio. A mulher de Nem da Rocinha já havia ficado presa preventivamente por esse processo, de março de 2014 a julho do mesmo ano, e de agosto de 2014 a março de 2016.

– Como o único crime hediondo ao qual ela tinha sido condenada foi o tráfico de drogas, com a absolvição, fica afastada a hediondez. Ou seja, ela não precisa mais cumprir dois quintos da pena (para progredir de regime), mas apenas um sexto. Assim, ela já alcançou o tempo para progressão de regime – explicou o advogado Marcelo Cruz.

Decidiram pela absolvição de Danúbia os desembargadores José Roberto Lagranha Távora, Sidney Rosa e Siro Darlan. O julgamento do recurso de Danúbia começou no dia 27 do mês passado. Na ocasião, Tavora pediu para analisar o processo antes de dar sua decisão. A defesa da mulher de Nem fez três pedidos subsidiários na apelação: anulação do processo, absolvição pelos crimes ou diminuição da pena.

Danúbia está presa desde outubro do ano passado
Danúbia está presa desde outubro do ano passado

 

Sidney Rosa e Roberto Lagranha Távora foram favoráveis à absolvição de Danúbia apenas por tráfico de drogas. Já Siro Darlan, que foi relator do processo, concordou com os argumentos para anulação de todo o processo e votou pela absolvição da mulher de Nem pelos três crimes. Com isso, a defesa de Danúbia ainda entrará com novo recurso no Tribunal de Justiça do Rio – denominado embargos infringentes e de nulidade – para conseguir a anulação de todo o processo.

– A decisão já foi um grande avanço. Muito embora estejamos contentes com o resultado, ainda vamos opor esses embargos infringentes de nulidade porque pretendemos anular toda a sentença. Em face das três nulidades acolhidas pelo desembargador revisor, irei avançar também com mais um recurso dentro do TJ do Rio – acrescentou o advogado de Danúbia.

Na decisão, os magistrados negaram o pedido de prisão domiciliar feito pela defesa de Danúbia. No mês passado, a defesa da mulher de Nem entrou com o mesmo pedido no STF, mas o ministro Edson Fachin determinou que a solicitação fosse encaminhada para a vara criminal na qual Danúbia foi condenada. Esse pedido ainda não foi apreciado.

 

Fonte: Extra

 

Dois policiais ficam feridos em arrastão na Linha Amarela, perto da Ilha do Fundão

Carro dos PMs foi atingido por diversos disparos
Carro dos PMs foi atingido por diversos disparos Foto: Realidade do RJ

Dois policiais do 15° BPM (Duque de Caxias) ficaram feridos na tarde desta quinta-feira, após confronto com criminosos que realizavam um arrastão na Linha Amarela, na altura da Ilha do Fundão, Zona Norte do Rio. Segundo a Polícia Militar, os agentes estavam de folga e passavam pela via quando foram surpreendidos por criminosos armados, bloqueando a pista e assaltando motoristas.

Ainda de acordo com a PM, houve confronto no local, e os criminosos fugiram. Os policiais foram levados para o Hospital Geral de Bonsucesso, também na Zona Norte. Ainda não há informação sobre o estado de saúde deles. A ocorrência está em andamento.

Nas redes sociais, alunos do Centro de Tencologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) relataram medo ao ouvir o barulho dos disparos nas redondezas.

“Está tendo arrastão perto do CT CCMN agora na saída da Linha Amarela/Vermelha. Carros voltando na contramão e muitos tiros. Cuidado gente!”, escreveu uma aluna no Facebook.

“Negócio está quente aqui pelos lados do Fundão… Tiros e mais tiros…”, escreveu outro internauta.

Foi o segundo tiroteio ocorrido na região nesta quinta-feira. Por volta das 8h, policiais militares do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE) e do 22º BPM (Maré) trocaram disparos depois que os ladrões tentaram roubar um veículo de carga na Avenida Brasil. O confronto começou na altura do Complexo da Maré e se estendeu até a Avenida Brigadeiro Trompowski, na entrada da Ilha do Governador

Uma pessoa ficou ferida. A via chegou a ser temporariamente fechada. Os bandidos haviam tentado roubar uma Fiat Fiorino quando foram flagrados pelos PMs.

Motoristas tentam voltar na contramão durante tiroteio na Linha Amarela, pela manhã
Motoristas tentam voltar na contramão durante tiroteio na Linha Amarela, pela manhã Foto: Reprodução

Fonte: Extra