Projeto de Lei prevê que UPPs fiquem subordinadas aos batalhões da PM

Autor do PL, o deputado Dionísio Lins, pedirá a votação com urgência

 

O Projeto de Lei nº 2982, do deputado Dionísio Lins (PP), propõe que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) fiquem subordinadas aos batalhões da PM nas regiões onde estão localizadas. O parlamentar defende que a medida aumentaria o contingente de batalhões de cada bairro, agilizando operaçõs e aumentando a segurança dos moradores. Ele disse ainda que pedirá que o projeto seja votado em regime de urgência.

O PL é de autoria do deputado Dionísio Lins (PP)Reprodução Internet

O projeto ainda prevê que os batalhões poderão, quando necessário, redefinir suas áreas de ocupação de acordo, de acordo com demandas das políticas de segurança pública. Lins argumenta que as UPPs continuarão com suas atividades, mas os batalhões poderão usar seu contingente. Com o projeto, os atuais Comandos de Polícia Pacificadora se tornariam órgãos de supervisão. “Só a UPP da Rocinha conta com aproximadamente 1.500 policiais. Esse número supera muito o número de policiais de muitos batalhões”, disse o deputado.

 

Fonte: O Dia

Anúncios

Polícia apreende adolescente que matou estudante a facadas na Rocinha

Renan foi morto com três facadas no peito na noite desta quarta-feira (28) após sair de um curso pré-vestibular. Ele estava no Hospital Miguel Couto e seria menor infrator, segundo a DH.


A Polícia Civil informou que apreendeu um adolescente, 17 anos, suspeito de ser o autor das facadas que mataram Renan Neves, 17 anos, na noite desta quarta-feira (29) após sair do curso pré-vestibular que fazia na Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio.

De acordo com policiais da DH, o menor estava no Hospital Miguel Couto, na Gávea e seria um adolescente infrator.

Renan era morador da Rocinha, na Zona Sul do Rio (Foto: Reprodução/ Facebook)

O delegado André Timoni, informou que o adolescente é o autor das três facadas no peito de Renan.

Moradores da Rocinha protestam após jovem ter sido assassinado na comunidade (Foto: Reprodução/Twitter)

 

Amigos do jovem morto realizam desde o final da tarde desta quinta-feira um protesto na Autoestrada Lagoa-Barra que está parcialmente fechada até às 19h50. A polícia acompanhava o ato, e não havia qualquer tipo de confusão ou enfrentamento entre manifestantes e PMs.

Fonte: G1

Pedro Dom do Morro da Coroa é preso  

Segundo a UPP, ele é apontado como uma das lideranças do tráfico no Morro da Coroa, em Santa Teresa. Ele vendia drogas quando foi preso

 

Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Coroa/Fallet/ Fogueteiro prenderam, na noite desta quinta-feira, um homem apontado como uma das lideranças do tráfico no Morro da Coroa, em Santa Teresa.

De acordo com a UPP, Daniel Fabrício Ferreira da Conceição, conhecido como Pedro Dom, foi preso em flagrante enquanto vendia drogas na comunidade. Com ele foram apreendidas uma pistola, um rádio transmissor e 29 papelotes de cocaína. O caso foi registrado na Central de Flagrantes na Cidade da Polícia, em Benfica.

Pedro Dom é apontado como um dos chefes do tráfico no Morro da CoroaDivulgação

Fonte: O Dia

Vídeo mostra jovem sendo atingida ao tentar tomar arma de ladrão em Icaraí

Mariana Sousa, 23 anos, tentou tomar desarmar criminoso, que estava em luta corporal com um outro funcionário. Ela passou por cirurgia

 

Um vídeo de câmeras de segurança mostra a tentativa de assalto que acabou com a jovem Mariana Andrade de Sousa, de 23 anos, baleada, na noite desta quinta-feira, em Icaraí, Niterói. Nas imagens, ela tenta tomar a arma do criminoso enquanto outro funcionário está em luta corporal com o criminoso, mas acaba atingida.

Mariana deu entrada na emergência do Hospital de Icaraí, no Centro de Niterói, e passou por cirurgia. Ela se recupera na UTI da unidade e o estado de saúde não foi divulgado.

Às 19h50, um homem armado entrou no local e, segundos depois, anunciou o assalto. Segundo PMs do 12º BPM (Niterói) e como mostra as imagens, um dos funcionários tentou desarmá-lo e a mulher interveio para ajudar o colega, quando acabou sendo atingida.

De acordo com os policiais, o bandido conseguiu fugir. Militares fizeram buscas na região para tentar localizar o criminoso, mas ele não foi preso. A Delegacia de Homicídios de Niterói/ São Gonçalo (DHNSG), que passava com uma viatura no local após o crime, assumiu a ocorrência e realizou perícia no local.

Agentes buscam testemunhas que possam auxiliar na apuração do crime. Diligências estão em andamento para identificar e localizar os autores. A arma do crime foi apreendida.

 

Fonte: O Dia

Quatro comunidades do Rio ganham projeto de inclusão social

ONG Favela Mundo vai abrir inscrições para diferentes cursos gratuitos em quatro comunidades: Cidade de Deus, Tomás Coelho, Rocinha e Piedade. Ao todo, serão oferecidas 1.200 vagas

 

A partir desta segunda-feira (3), a ONG Favela Mundo vai abrir inscrições para diferentes cursos gratuitos em quatro comunidades: Cidade de Deus, Tomás Coelho, Rocinha e Piedade. O objetivo é oferecer uma estrutura de inclusão social e de aprimoramento profissional e pessoal. Ao todo, 1.200 vagas serão distribuídas, sendo 300 oportunidades para cada localidade.

O aluno deve se dirigir ao local para realizar a matrícula no curso desejado. Crianças e adolescentes moradores das comunidades da Cidade de Deus e de Tomás Coelho terão oportunidade de participar dos cursos de danças brasileiras, hip hop, jazz, teatro, canto e violão. Já os jovens e adultos poderão se dirigir até as comunidades da Rocinha e Piedade para oficinas destinadas à capacitação profissional, com foco no Carnaval, artes cênicas e estética, com aulas de artesanato, decoração de unhas, fantasias e adereços, grafite, maquiagem artística e social, turbantes e tranças afro.

A iniciativa conta com patrocínio da MetrôRio, LAMSA, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, e apoio do Instituto Invepar.

Serviço:
Projetos Favela Mundo e A Arte Gerando Renda. Inscrições de 3 a 31 de julho. Informações: 2236-4129 ou no local. Site: www.favelamundo.org.br

Endereços:

Cidade de Deus: Escola Senhora Perciliana de Alvarenga -Rua Moisés, s/n

Tomás Coelho: Escola Maria Mazzetti – Av. Pastor Martin Luther King Jr, 4676

Rocinha: CRAS Rinaldo de Lamare – Av. Niemeyer, 776/8º andar

Piedade: Várzea Country Clube – Rua Torres de Oliveira, 436

 

Fonte: O Dia

Policial militar é morto durante assalto em Bonsucesso, na Zona Norte

O terceiro sargento Márcio Rodrigues foi morto em Bonsucesso
O terceiro sargento Márcio Rodrigues foi morto em Bonsucesso Foto: Reprodução/Facebook

Um policial militar foi morto durante um assalto em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio, na noite desta quinta-feira. O crime ocorreu na Avenida Teixeira de Castro, na altura do número 210. O policial se chamava Márcio Rodrigues, era terceiro sargento e estava de folga.

De acordo com o 22º BPM (Maré), o agente era dono de uma loja, e foi abordado por quatro criminosos em duas motos quando saía dela, por volta de 20h. Um dos suspeitos desembarcou e rendeu o policial para roubar a moto, quando viu que Màrcio estava armado. O homem então gritou para seus comparsas que se tratava de um PM. Mais de um dos bandidos fez disparos contra o PM, que teve sua arma levada pelos suspeitos.

O policial chegou a ser levado para o Hospital Federal de Bonsucesso, mas não resistiu. Este é 82° PM assassinado este ano no estado do Rio de Janeiro, mais do que os 77 registrados em todo o ano passado.

 

Fonte: Extra

PM retira 66 agentes de UPPs para repor policiais denunciados por corrupção

O 7º BPM, unidade que foi alvo da operação, recebeu 40 policiais de UPPs
O 7º BPM, unidade que foi alvo da operação, recebeu 40 policiais de UPPs Foto: Fabiano Rocha / Agência O Globo

O comando da Polícia Militar vai usar agentes atualmente lotados em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) para repor os policiais que foram alvo da Operação Calabar, da Polícia Civil e do Ministério Público, que denunciou à Justiça 96 PMs acusados de receber propina de traficantes. Horas após a deflagação da operação, a corporação publicou em seu boletim a transferência de 40 PMs de diversas UPPs para o 7º BPM (São Gonçalo) — unidade que foi alvo da investigação e onde atualmente estavam lotados 41 agentes denunciados.

Já o 12º BPM (Niterói) — a segunda unidade com mais policiais denunciados, 20 no total — vai receber 26 policiais de UPPs. A quantidade de agentes que deixarão as unidades em favelas não será reposta. Tanto os policiais acusados de crimes quanto os tranferidos são praças.

Palco de tiroteios diários, as UPPs estão em crise. Na última terça-feira, a explosão de uma granada atirada por traficantes terminou com a morte do porteiro Fábio Franco de Alcântara, no Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

Todos os policiais militares alvos da operação são praças e foram lotados no 7º BPM (São Gonçalo) entre 2014 e 2016. A quantidade de policiais acusados de corrupção representa cerca de 15% do efetivo da unidade, composta por pouco mais de 700 homens. De acordo com a investigação, semanalmente os agentes recebiam cerca de 250 mil reais de propina do tráfico. Segundo a Polícia Civil, essa é a maior operação de combate à corrupção policial já feita no Estado do Rio.

Um dos PMs presos chega à Cidade da Polícia
Um dos PMs presos chega à Cidade da Polícia Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Investigação

A investigação começou em fevereiro de 2016, quando agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) prenderam um suspeito em flagrante, com três armas de fogo e dinheiro em espécie. A partir de então, o homem — apontado como uma espécie de “gerente da propina” do tráfico do município, responsável por centralizar o transporte do dinheiro e o pagamento a diferentes grupos de policiais — aceitou colaborar com os agentes em troca de uma diminuição em sua pena. Ele está sob proteção do estado. De acordo com informações da polícia, há outro traficante que também está negociando fazer uma delação premiada.

Numa série de depoimentos prestados na especializada, ele esmiuçou como era o esquema de distribuição de propina do tráfico entre os PMs do 7º BPM, apontou os nomes de 96 agentes que recebiam valores semanalmente e entregou uma lista de números de telefones utilizados por policiais e por traficantes responsáveis pelos pagamentos. Segundo o relato do colaborador, o tráfico distribuía cerca de 250 mil reais semanalmente entre PMs que trabalhavam nos Grupos de Ação Tática (GATs), na P-2 (Serviço Reservado) do batalhão, em Destacamentos de Policiamento Ostensivo (DPOs) nos bairros do Salgueiro, de Santa Luzia, de Santa Izabel, do Jockey, do Jardim Catarina, e as ocupações dos morros da Coruja e do Alto dos Mineiros. A entrega do dinheiro era feita, geralmente, nas noites de sábado.

Em troca do pagamento, os policiais deveriam evitar operações em 44 favelas de São Gonçalo dominadas pela maior facção do Rio. A divisão era feita de acordo com a lotação dos policiais e com o perigo que esses agentes representavam para a facção. Por exemplo: cada GAT — grupos de agentes responsáveis por incursões em favelas — recebia R$ 20 mil por semana; já PMs baseados em cada um dos DPOs recebiam R$ 7,5 mil.

A ação foi batizada de operação Calabar — em referência a Domingos Fernandes Calabar, considerado o maior traidor da história brasileira. Além dos PMs, a Justiça expediu também mandados de prisão contra traficantes. No total, são 184 mandados de prisão. O esquema movimentava cerca de um milhão de reais por mês.

 

Fonte: Extra