Policiais realizam partos durante trânsito na Av. Brasil e Linha Vermelha no Rio

Grávidas estavam presas em congestionamentos quando entraram em trabalho de parto.


Equipe foi parada pelos pais da jovem na Linha Vermelha (Foto: Reprodução/ Redes sociais)

Equipe foi parada pelos pais da jovem na Linha Vermelha (Foto: Reprodução/ Redes sociais)

 

Duas grávidas entraram em trabalho de parto e foram ajudadas por policiais nesta segunda (16) e sexta-feira (13).

Policiais do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas realizaram o parto de uma jovem dentro de um carro na Linha Vermelha nesta segunda. A equipe patrulhava a via quando foi parada pelos pais da jovem. Mãe e bebê passam bem e foram levados para o Maternidade Fernando Magalhães, em São Cristóvão, na Zona Central do Rio.

Na noite de sexta, agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) socorreram a jovem Dayane Souza, de 25 anos, que entrou em trabalho de parte durante um congestionamento na Av.Brasil, na altura do Caju, Zona Portuária do Rio.

Ela conseguiu chegar a tempo na maternidade Alzira Reis, em Niterói, onde nasceu o menino Enzo Raphael.

Agentes da PRF ajudaram gestante em trabalho de parto na Av.Brasil (Foto: Divulgação)

Agentes da PRF ajudaram gestante em trabalho de parto na Av.Brasil (Foto: Divulgação)

 

 

Fonte: G1

Anúncios

Anatel antecipa no RJ novo sistema de bloqueio de celulares devido ao alto índice de roubos de aparelho

Sistema é capaz de identificar a falsificação ou duplicidade na rede, quando há dois Imeis iguais usados por números diferentes. Antecipação será de janeiro para setembro no Rio.

Novo sistema de bloqueio de celular lançado pela Anatel começa em setembro no Rio

Novo sistema de bloqueio de celular lançado pela Anatel começa em setembro no Rio

 

Um novo sistema de bloqueio de celular, lançado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)para desestimular o roubo de aparelhos, vai ser implantado no Rio em setembro. O prazo foi antecipado no Rio por causa do grande número de roubos de aparelho.

Os últimos dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que em cinco anos, o roubo ou furto de celular cresceu 453% no estado do Rio. De janeiro a maio deste ano foram registrados 10.802 casos, o maior índice em 15 anos. Só em maio foram 74 assaltos por dia em todos o estado.

No fim de semana as polícias civil e rodoviária federal prenderam cinco integrantes de uma quadrilha que roubava celulares de dentro das lojas.

A orientação da polícia nesses casos é prestar queixa e antes de tudo, pedir o bloqueio do IMEI junto à operadora.

O Imei é um número único, como se fosse a digital do aparelho. Está impresso no telefone, na caixa e na nota fiscal. Mas, mesmo com o bloqueio, os bandidos muitas vezes conseguem reativar o aparelho, e aí surgiu uma nova tecnologia para impedir isso.

A Anatel, agência reguladora, começou a experimentar um sistema de proteção, usado inicialmente em Goiás e no Distrito Federal.

O novo sistema seria implantado em janeiro de 2019 no Rio de Janeiro. Entretanto, diante dos números da Secretaria de Segurança, o sistema deve começar a funcionar no estado em setembro.

Como funciona o bloqueio

Se alguém adultera o Imei, o sistema é capaz de identificar a falsificação ou duplicidade na rede, quando há dois Imeis iguais usados por números diferentes.

A Anatel envia uma mensagem de bloqueios pra esses celulares. De fevereiro a junho, segundo a agência, foram bloqueados em Goiás e no distrito federal 139 mil aparelhos.

Quando o celular é registrado nesse sistema de proteção, fica impossibilitado de fazer chamadas, mas continua com as demais funções, como alicativos e wi-fi.

A recomendação é que ao comprar celular de terceiros, a pessoa verifique antes se não há restrições do Imei junto a Anatel.

Fonte: G1

PM reconhece que Segurança sofre por disputas de poder entre traficantes no RJ

Porta-voz da corporação reconheceu que os agentes enfrentam problemas nas condições de trabalho, após denúncias de falta de limpeza e de coletes à prova de bala adequados.


O porta-voz da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, major Ivan Blaz (Foto: Reprodução/ TV Globo)

O porta-voz da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, major Ivan Blaz (Foto: Reprodução/ TV Globo)

 

O porta-voz da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Major Ivan Blaz, esteve na manhã desta terça-feira (17) no estúdio do Bom Dia Rio e falou sobre os sucessivos casos de confronto entre criminosos nas comunidades da capital fluminense e da Região Metropolitana. Segundo ele, criminosos de vários pontos do Rio estariam disputando poder.

Os moradores do Morro do Urubu, em Pilares, na Zona Norte do Rio, passaram a noite de segunda (16) e a madrugada desta terça-feira (17) sofrendo com uma série de tiroteios na comunidade. Segundo eles, há uma disputa entre facções criminosas pelo controle do local.

“A instabilidade no status quo das quadrilhas que operam no Rio de Janeiro tem sido notada através desses enfrentamentos. Tivemos também nesta noite em Senador Camará quatro cidadãos encontrados mortos dentro de uma comunidade. E isso tudo fruto de confronto entre quadrilhas disputando pontos de venda de drogas”, destacou Blaz.

Condições de trabalho

O porta-voz também reconheceu que os agentes enfrentam problemas nas condições de trabalho, após denúncias de falta de limpeza e de coletes à prova de bala adequados.

“É um grande desafio lidar com as demandas emergenciais da segurança pública no Rio de Janeiro e também na logística. Não é de hoje que muitas unidades carecem de reforma. O batalhão da Praça da Harmonia é um batalhão centenário, assim como outras unidades que são centenárias, como o batalhão de Rocha Miranda e do Méier”, afirmou o major.

Ele destacou, no entanto, que muitas unidades devem passar por reformas a partir do mês de agosto. Sobre as denúncias de que os PMs não estão tendo folgas e isso estaria prejudicando o trabalho de policiamento nas ruas, ele afirmou que não se pode “vilanizar” o Regime Adicional de Serviço (RAS).

“Se nós colocamos seis mil policiais em todo o Estado do Rio de Janeiro, 1,2 mil nós colocamos através do RAS. Cerca de 20% do efetivo da PM em todo o RJ, a gente concentra com hora extra na Região Metropolitana”, destacou Blaz.

Ele reconheceu que a corporação tem atualmente um excesso de policiais em cargos de chefia e poucos trabalham no policiamento das ruas. Mesmo assim, ele acredita que o problema vem sendo minimizado por medidas tomadas pelo Comando Conjunto de Intervenção na Segurança do RJ.

Observatório da Intervenção

O major Ivan Blaz também comentou os dados apresentados na segunda-feira (16) pelo Observatório da Intervenção do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes,que apontou que, durante o período de intervenção na segurança pública do RJ, as chacinas aumentaram 80% e as mortes em chacinas (três pessoas mortas ou mais) dispararam 128%. Outro dado é a diminuição das apreensões de fuzis, metralhadoras e submetralhadoras: 39% a menos entre fevereiro e maio de 2018, comparado ao ano anterior.

De acordo com o porta-voz da PM, os dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), mostram redução nos crimes no RJ.

“O estudo apresentado pela professora Sílvia Ramos, por quem tenho muito respeito, conta com dados interessantes, mas que mostram uma metodologia particular e que os órgãos oficiais ainda não tiveram oportunidade de se debruçar sobre este material. O Instituto de Segurança Pública vem mostrando mês a mês a redução desses índices criminais”, disse.

Fonte: G1

Baile leva 25 mil à Penha, dura 16h e moradores reclamam

No Facebook, moradores compartilharam fotos das ruas tomadas por jovens e do lixo na porta das casas no fim da festa

 

Fotos na internet mostram ruas tomadas pelo público da festa
Fotos na internet mostram ruas tomadas pelo público da festa – Reprodução

 

O baile de funk “Baile da Gaiola”, no Complexo da Penha, reuniu cerca de 25 mil pessoas nesse fim de semana e gerou polêmica nas redes sociais. Em comemoração ao aniversário do DJ residente do evento Rennan da Penha, o baile começou na noite de sábado e só terminou às 16h de domingo, com o público espalhado por seis ruas residenciais e duas avenidas da comunidade Vila Cruzeiro, e música nas alturas.

No Facebook, moradores compartilharam fotos das ruas tomadas por jovens e do lixo na porta das casas no fim da festa. Segundo o BRT Rio, dois articulados também foram vandalizados por um grupo que ia para o baile e o serviço de três linhas foi interrompido.

“Imagina o povo querendo dormir… Absurdo! Passo de BRT para trabalhar e realmente parece o apocalipse zumbi! Jovens totalmente drogados, bêbados, é desesperador”, diz uma das críticas ao evento.

“São muitas casas e o barulho é muito alto. Para os moradores que não curtem deve ser um inferno”, comentou jovem que já frequentou a festa.

O baile acontece todos os sábados, mas por conta do aniversário do DJ, o evento recebeu um público maior. “Uma marca história, apesar de imprevistos”, comemorou Rennan da Penha nas redes. O DJ, um dos mais famosos do Rio e queridinho de jogadores de futebol, tem músicas com letras controversas de apologia às drogas e, em 2016, foi preso por associação ao tráfico.

A PM informou que atua com policiamento diferenciado na região nos dias do evento, com reforço aos acessos da comunidade e no BRT. Tanto a PM como a Prefeitura afirmaram que a festa acontece sem autorização, de forma irregular, mas que a Comlurb já realizou a limpeza do local.

 

Fonte: O Dia

Chefe do tráfico em São Gonçalo é preso com mais três no Complexo do Alemão

Alex da Silva Faria, o Lelequi, estava com comparsas que foram mortos durante confronto na região no domingo

 

Lelequi estava no grupo dos criminosos que entrou em confronto com a PM no domingo
Lelequi estava no grupo dos criminosos que entrou em confronto com a PM no domingo – Divulgação / Polícia Civil

 

Agentes do Comando de Operações Especiais da Polícia Militar (COE) prenderam, nesta segunda-feia, quatro traficantes no Complexo do Alemão, na Zona Norte da cidade. Dentre os detidos está Alex da Silva Faria, de 41 anos, conhecido como Lelequi. Ele é apontado como o chefe do tráfico de drogas da comunidade de Trindade, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do estado.

De acordo com a PM, Lelequi estava junto dos criminosos que foram atingidos durante um confronto com agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Alemão, na manhã de domingo. Na ocasião, cinco suspeitos morreram e o traficante e um comparsa, também preso nesta segunda, fugiram. Ao serem detidos, eles ainda estavam com marcas de ferimentos do confronto de domingo.

Os quatro presos possuíam, juntos, quatro mandados de prisão em aberto e cinco passagens pela polícia. Um deles ainda é foragido do sistema prisional do Rio. Todos foram levado à Central de Garantias da Cidade da Polícia, no Jacaré.

 

A PM fez operação no Alemão nesta segunda – Armando Paiva / Agência O Dia

 

Clima tenso

O clima no Complexo do Alemão está tenso desde a morte dos cinco suspeitos no domingo. Na manhã desta segunda, um policial militar foi baleado na perna durante um ataque de criminosos, na Favela Nova Brasília. Por conta do ataque, um intenso tiroteio foi relatado na região e a principal via de acesso ao complexo, a Avenida Itaóca, chegou a ser fechada. Agentes do Batalhão de Choque (BPChq) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foram acionados e estiveram na região.

Ainda nesta segunda, policiais da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) balearam e prenderam André Luiz Cabral dos Santos, o Lacraia. Apontado como chefe do tráfico de drogas na Favela do Arará, em Benfica, ele preparava um ataque às bases da UPP no Alemão, em represália às cinco mortes de domingo.

 

O clima está tendo na região desde domingo – Armando Paiva / Agência O Dia


Fonte: O Dia

Busto de José Bonifácio é furtado da Quinta da Boa Vista

Monumento de bonze em homenagem ao patrono da Independência brasileira é tombado pelo Iphan

 

Monumento fica na Quinta da Boa Vista
Monumento fica na Quinta da Boa Vista – Reprodução / Internet

 

Frequentadores da Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na Zona Norte da cidade, denunciam o furto do busto de José Bonifácio, que está no parque desde 1910. De acordo com relatos, a estátua do patrono da Independência brasileira sumiu no fim de semana. O monumento, de bronze, é tombado desde a década de 1930 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Fotos do local com o monumento vazio circulam na rede social. “A Quinta (da Boa Vista) está largada. Mal se vê guardas municipais, que foram criados para esse proposito (guardar o patrimônio público). O Rio de Janeiro está abandonado. Tanto a gestão estadual, como a municipal, geridas por políticos corruptos, sem ética e escrúpulo, muito menos cultura”, uma frequentadora do parque desabafou, nas redes sociais.

 

Fonte: O Dia

Policia Civil prende em condomínio de luxo na Barra chefe do tráfico em favela de Del Castilho

Roberto Júlio, o Sossó, líder do tráfico na Favela Bandeira 2 foi preso na manhã desta terça-feira por policiais da 31ª DP (Ricardo de Albuquerque). Contra ele havia mandados de prisão por tráfico de drogas e homicídio

 

Sossó foi preso em condomínio de luxo na Barra
Sossó foi preso em condomínio de luxo na Barra – Divulgação

 

Policiais da 31ª DP (Ricardo de Albuquerque) prenderam, na manhã desta terça-feira, um homem apontado como o chefe do tráfico de drogas na Favela Bandeira 2, em Del Castilho, na Zona Norte do Rio. Roberto Julio, o Sossó, de 34 anos, foi preso em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade.

Segundo o delegado Maurício Mendonça, titular da 31ª DP, a prisão foi resultado de uma investigação que já durava mais de quatro meses. Contra Sossó havia pelo menos dois mandados de prisão em aberto, um por tráfico e outro por homicídio. A favela Bandeira 2, comandada pelo criminoso, é conhecida por ser um ponto de venda de crack.

“Há informações que ele também atuava na distribuição de crack para outras comunidades da mesma facção, o que representa um grande em sua quadrilha, pois desestabiliza, causa prejuízo logístico”, explicou.

A casa dentro do condomínio, onde ele morava com a mulher e o filho, tinha dois andares, uma academia improvisada, piscina privativa e área com churrasqueira. O criminoso estava nas ruas desde 2003 e os vizinhos “acreditavam que ele era um morador comum”, disse o delegado.

 

Fonte: O Dia