Jovem condenado por morte de Jaime Gold tem ‘bom comportamento’ e cursou cinco séries em dois anos de internação

Adolescente foi condenado a três anos de internação
Adolescente foi condenado a três anos de internação Foto: Fábio Rossi / O Globo

Dois anos e três meses depois de ser levado de sua casa por policiais da Divisão de Homicídios (DH), o jovem, hoje com 19 anos, ainda jura que não matou o médico Jaime Gold. Dos três rapazes apreendidos pelo assassinato, que chocou o Rio em maio de 2015, ele é o único que não confessou o crime e também o único que permanece internado. Enquanto não consegue provar à Justiça sua inocência, ele tenta recuperar, no Educandário Santo Expedito, em Bangu, Zona Oeste do Rio, o tempo que perdeu antes do assassinato, quando abandonou a escola: desde a apreensão, cursou cinco séries e, hoje, trabalha na unidade como técnico em informática.

O EXTRA teve acesso a relatórios da equipe de psicólogos, pedagogos e assistentes sociais do centro de internação que atestam o “bom comportamento” e o “interesse” do jovem no processo de cumprimento das medidas socioeducativas. Quando deu entrada na instituição, ele cursava o 5º ano do ensino fundamental. Pouco mais de dois anos depois, cursa o 1º ano do ensino médio. O rapaz foi condenado a três anos de internação, apesar de ter sido inocentado pelos outros dois jovens apreendidos na ocasião. Na semana passada, a 3ª Câmara Criminal negou, por unanimidade, o último recurso da defesa do jovem na segunda instância.

Mãe do jovem crê na inocência do filho
Mãe do jovem crê na inocência do filho Foto: Rafael Soares

Num documento de setembro de 2016, uma psicóloga relata que o jovem procura “manter bom comportamento e relacionamento com a equipe e preencher seu tempo buscando novos aprendizados, se interessando pelos cursos oferecidos, dos quais já concluiu cabeleireiro, pet shop, dança, teatro, garçom, além de participar de oficinas de leitura”.

Quase um ano antes, em novembro de 2015, outra psicóloga do educandário já havia notado diferenças entre o rapaz e outros internos: “apesar de já ter recebido um número bem elevado de atendimentos em relação aos outros adolescentes, ele sempre pede mais atendimentos, mais cursos, mais escola”, escreveu a funcionária.

Todos os relatórios foram encaminhados à Justiça para as audiências de reavaliação. Apesar dos elogios dos profissionais, o jovem não foi libertado nem recebeu benefícios.

Mãe crê em inocência

Todo sábado, a mãe do rapaz acorda às 6h para sair de Manguinhos, na Zona Norte, onde vive, e chegar antes das 10h em Bangu para visitá-lo. Aos 57 anos, a catadora de material reciclável acredita na inocência do filho.

— Ele disse para mim que não foi ele. Disse: “Sou sujeito homem para admitir meus erros”. Ele já cometeu vários outros crimes antes. Mas esse não foi ele — diz a mulher, que acredita que o filho merece receber um benefício da Justiça para poder sair da unidade — Ele merece sair. Realizou todas as atividades, se dedica à escola, mesmo sabendo que ele não cometeu o crime. Com essa internação, ele amadureceu bastante, mas está magoado demais, seco, com ódio. Tem medo que as pessoas continuem achando que ele cometeu o crime quando ele sair de lá.

O médico Jaime Gold, que foi morto depois de ser esfaqueado.
O médico Jaime Gold, que foi morto depois de ser esfaqueado. Foto: Reprodução

Antes do assassinato do médico, o jovem já havia cumprido medidas socioeducativas nove vezes. Dessa vez, entretanto, ele admite que a internação o ajudou a retomar os estudos. Em 2015, uma pedagoga escreveu que ele “reconhece a necessidade de ter sido afastado do meio no qual estava, que o incentivava à prática de ilicitudes, e verbalizou que o fato de estar internado contribui para sua escolarização, pois antes não frequentava a escola”.

Também condenado pelo assassinato, Alexsandro de Jesus Montenegro Silva, 19 anos, conseguiu o benefício da semiliberdade, apesar de ter se envolvido em brigas e numa ocorrência de tráfico na unidade onde estava. O jovem confessou o crime e inocentou o outro adolescente, que foi condenado com base no depoimento de uma testemunha ocular. No último dia 22, Alexsandro foi preso após assaltar um mercado na Região Serrana.

Fonte: Extra
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s